2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






O top dos escritores

Meu autor predileto, nos últimos 10 anos, Philip Roth, acaba de ter lançado no Brasil seu mais recente romance, Homem comum. Na linha do anterior, O animal agonizante, agora mais do que nunca, o escritor norte-americano de origem judaica trabalha as questões da morte. Saúde e doença traçam a linha narrativa de Homem comum, que começa com o enterro do personagem central para depois voltar à infância (e suas doenças), à maturidade (idem) e à velhice (mais ainda). A angústia da finitude, da perecibilidade, da fragilidade que cerca o corpo e lhe reduz a transcendência conduz a trajetória de um homem que não foge à norma, mas nem por isso deixa de atrair interesse em sua incansável busca por felicidade. O melhor de tudo, sempre, é a escrita de Philip Roth. Quem me dera escrever como ele!

Beijocas!

Clara Arreguy, quarta-feira, setembro 26, 2007.

______________________________________________________