2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Um drible desconcertante

Sérgio Rodrigues e eu temos algumas coisas em comum. Jornalistas, escritores, mineiros, amantes de futebol, com livros escritos sobre o tema. Não nos conhecemos, mas vai mais longe nossa afinidade. Ele nasceu em Muriaé, terra do meu pai. É amigo de amigos meus... Bom, tudo isso para elogiar "O Drible", de Sérgio Rodrigues (Companhia das Letras), um dos mais belos romances que já li tendo o futebol como tema, ou melhor, como personagem.

Na verdade, o livro trata da relação familiar, do ponto de vista de Neto, filho de um famoso cronista de futebol, Murilo Filho, com quem tem uma história conturbada, violenta mesmo, desde o suicídio da mãe. Com maestria, Sérgio Rodrigues usa os lances do esporte para tecer a narrativa, a partir de jogadas memoráveis, como o drible de Pelé em Mazurkiewski, que abre o romance em descrições poéticas e profundas.

A partir da memória de Murilo Filho, um velho à procura de reaproximação com o filho, a trama enovela os principais lances e personagens do futebol com figuras fictícias que cruzam com reais, como Mário Filho, Nelson Rodrigues, João Saldanha, heróis na construção do imaginário poético e histórico da paixão maior dos brasileiros. É maravilhoso.

A trama familiar propriamente também é muito bem construída, com lances de suspense e agonia. Se Murilo Filho permite ao autor reviver as glórias dos anos 1950 e 1960, Neto é o típico jovem dos anos 1980, com sua cultura pop entranhada em tudo que minha geração viveu, dos seriados de TV ao rock Brasil.

No quesito afinidades, a parte da trama que se passa na Merequendu natal de Murilo Filho remete, obviamente, à Muriaé dos meus sonhos, inclusive literários (não foi à toa que ambientei meu Rádio Beatles na terra do meu pai). Enfim, "O Drible" me emocionou a cada página, com suas surpresas e belezas, com sua linguagem envolvente, com a solução perfeita de toda a construção do romance.

Beijos, meus leitores queridos!

Clara Arreguy, quinta-feira, abril 30, 2015. 0 comentário(s).

______________________________________________________

Casas vazias

Li o romance "Terra de Casas Vazias", do André de Leones (Rocco), e gostei muito. Achei engenhosa a costura dos vários tempos do romance, os dois protagonistas adultos (Arthur e Aureliano) com seus problemas de casais, o encontro dos dois na infância dos primos, o casal das meninas gays, depois toda a situação em Israel...

Gostei de como Brasília participa como cenário de parte da história, embora não seja "o" local. A situação no Guará II, o trabalho policial pesado de Aureliano, o Parque da Cidade na tragédia que envolve Arthur e Teresa, tudo isso ambienta bem nossa cidade no contexto do romance, que achei bem escrito e muito bom de ler.

Beijos!

Clara Arreguy, quarta-feira, abril 29, 2015. 0 comentário(s).

______________________________________________________