2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






A maior dor

Um dos relatos mais tristes que já li em toda a minha vida é O lugar escuro - Uma história de senilidade e loucura, de Heloísa Seixas. A escritora carioca, dona de uma literatura sempre forte e marcante para as questões femininas, desta vez deixa de lado a ficção para contar as terríveis dores vividas por ela diante do processo de enlouquecimento de sua mãe, vitimada por um processo de senilidade seguido do mal de Azheimer. Nunca a relação entre filha e mãe foi fácil, mas a partir da degradação mental e emocional sofrida pela segunda, o calvário experimentado pela família leva à quase loucura até da primeira. Muito terrível, muito difícil de entender e conviver, o que dirá amar em meio à doença que corrompe a personalidade e a sanidade. Triste e belo relato.

Beijos!

Clara Arreguy, terça-feira, novembro 13, 2007.

______________________________________________________