2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






A história do tempo

Um livro de divulgação científica de fácil leitura e ótimas informações é O tempo que o tempo tem, de Alexandre Cherman e Fernando Vieira, que resumiram no volume as aulas que dão no Planetário do Rio de Janeiro. Trata-se de explicações sobre as formas de medir o tempo, os calendários, os sistemas que geraram nossas noções de ano, mês, semana, dia, hora, minuto, segundo etc. ao longo da história.
Toques sobre religião - afinal, muitas delas determinam os calendários de diferentes culturas -, história, astronomia, ciência em geral (equinócio, sosltício) tornam agradável a leitura. No final, eles nos apresentam também os calendários de outros povos, como chinês, árabe, judeu, maia etc.

Beijos e boa semana santa (data móvel no calendário, cuja explicação está clara em O tempo que o tempo tem)

Clara Arreguy, segunda-feira, março 17, 2008.

______________________________________________________