2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Histórias de um povo

No tribunal de meu pai, de Isaac Bashevis Singer, foi minha principal leitura de férias. Terminei hoje. Compilação de crônicas escritas pelo grande escritor, reúne histórias do povo judeu a partir do ponto de vista de um menino. Autobiográficas, as narrativas curtas descrevem como viviam judeus poloneses no início do século 20. Filho de um rabino pouco importante na comunidade, o pequeno observador relata litígios, costumes, dúvidas religiosas e existenciais, tendo tudo como pano de fundo a Primeira Guerra Mundial e as desditas que seu povo sofria com a diáspora e as dificuldades de adaptação ao mundo. Um livro ao mesmo tempo leve e profundo, que se lê apreciando a saborosa escrita de um autor não à toa premiado como Nobel.

Clara Arreguy, sábado, julho 12, 2008.

______________________________________________________