2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Polícia do bem

O relato autobiográfico da deputada e ex-policial Marina Maggessi sobre sua sofrida trajetória faz de Dura na queda um livro interessante do início ao fim. Mas o que faz do livro uma leitura arrebatadora é a escrita de Ana Maria Bahiana, cujos créditos só aparecem na ficha técnica, na última página. Quem folheia o volume percebe que se trata de texto ágil, seco, profissional, não de incursão de novato. Daí que a história ganha ritmo impressionante, da infância pobre da menina no bairro Alto da Boa Vista, no Rio, ao comando de operações em favelas cariocas, onde tiros e bandidos são tão perigosos quanto setores desonestos da polícia. Ao fazer declaração de princípios explícita contra a pena de morte e a violência policial, ela se coloca como influente voz na defesa dos direitos humanos. E uma grande mulher.

Clara Arreguy, quarta-feira, agosto 06, 2008.

______________________________________________________