2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Com o mestre Freud

Acabo finalmente um livro da coleção Para Ler Freud, que vinha lendo ao mesmo tempo que o Saramago e outros bons que estão em minhas mãos. Trata-se de Luto e melancolia - À sombra do espetáculo, uma brilhante análise de Sandra Edler sobre como a depressão, nos nossos tempos, assume caráter de epidemia diante da sociedade do espetáculo, consumista e voraz, capaz de produzir no psiquismo das pessoas frustrações de quem não tem o que deve ter, não aparenta a imagem que deveria, torna-se excluída do processo por não corresponder às promessas de felicidade ao alcance do consumo. É muita coisa importante que ela coloca, à luz de Freud, e que nos ajuda a nos situarmos num mundo sem espaço para o legítimo luto diante das perdas importantes, as legítimas tristezas a que temos direito.

Beijos e inté!

Clara Arreguy, sábado, novembro 22, 2008.

______________________________________________________