2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Policial belo-horizontino

Uma delícia a estreia em romance do poeta belo-horizontino Marcus Freitas. Peixe morto narra uma trama policial ambientada na capital mineira, tendo como cenários locais charmosos como a Lagoa da Pampulha, o museu de arte, a UFMG, o Mercado Central e outros. O protagonista, um professor universitário especialista em história da ciência, se envolve com uma mulher encantadora, perigosa e... casada, cujo marido aparece morto nas margens do lago. Pelas características do crime, o narrador se vê na posição de suspeito. Daí que precisa usar os conhecimentos sobre peixes que compartilha com boa parte dos envolvidos para desvendar o mistérios. Com domínio da narrativa, texto elegante e atraente, Marcus Freitas proporciona uma leitura capaz de prender da primeira à última linha.

Beijos!

Clara Arreguy, sexta-feira, janeiro 30, 2009.

______________________________________________________