2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Palavras delicadas

Recebi do jovem escritor brasiliense Alexandre Pilati a seguinte mensagem sobre meu Tempo seco:

Cara Clara,
Recebi pelo meu pai o seu "Tempo Seco". Obrigado pelo livro. E obrigado outra vez. Pelo que li. De fato você conseguiu dar uma solução estética para o olhar estrangeiro-familiar que se estende sobre uma cidade já com algumas raízes, mas que recebe gente desenraizada de todo lado. Graças a esse estranho viver, as pessoas entortam-se, umas outras secam, feito árvores do cerrado. Todas gritam em silêncio, até as que se fecham em copas. Assim é a sua prosa: familiar feito um papo no táxi, mas à altura das exigências da cidade de que você fala e da história que se propôs a contar. É belo e acre o seu livro e tem uma grande coragem: nos arranha, como quem abraça árvore daqui. Outra grande coragem: falar do tempo próximo de nós, que a bruma da história ainda não toldou. Isso é difícil de fazer sem cair em clichês preconceituosos, ou "exatismos didáticos", ou uma ideológica "isenção" pseudo-jornalísitca. A autora, Clara, dribla tudo isso.
Você pôs a serviço da ficção as melhores ferramentas da ágil língua do jornal. Que coisa!Enfim, que bom que você está aqui, que adotou este tempo seco e esta cidade. Que bom que a minha cidade pode ter a sua voz.
Um grande abraço!
Alexandre Pilati

Clara Arreguy, quarta-feira, maio 27, 2009.

______________________________________________________

Comments:
Que belo comentário sobre seu livro, Clara! Venho aqui para dizer-lhe que a honra é toda minha de ter podido escrever sobre seu livro e agora de ter podido ter um comentário seu no meu espacinho tão mixuruca. :-) Espacinho que tenho cada vez menos tempo para dedicar, mas onde me alegrou ver o comentário da sempre e admirada editora de cultura. Beijos,
Ana Rita.
 
Postar um comentário