2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Graça inteligente

Mais que as palhaçadas de Selton Mello na pele do homem apaixonado pela parceira ideal, A mulher invisível, de Claudio Torres, vale pela inteligência na construção da comédia romântica. O público tem se molhado de rir do contorcionismo histriônico do protagonista nas cenas em que, à moda de Steve Martin, contracena com ninguém pensando que a Luana Piovani está ali. Mas os diálogos e a própria "tese" - idealização x realização das relações possíveis, busca do amor x utilitarismo do sexo - valorizam mais o filme do que a piada pronta da mulher inexistente.
Selton Mello está bem, mesmo com os trejeitos forçados. Luana Piovani, deslumbrante. Vladimir Brichta, sempre bom comediante. E a jovem Maria Manoella surge bem, principalmente com a ajuda luxuosa da "coadjuvante" Fernanda Torres (apesar do deslize de continuidade, já que ela aparece com a mesma barriga de gravidez nos diferentes meses em que se passa a história). Destaque também para a ótima trilha sonora.
Diversão inteligente, sem compromisso e sem culpa.

Beijos!

Clara Arreguy, quinta-feira, julho 16, 2009.

______________________________________________________