2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Quase Caetano

Para o polemista e ousado artista que há mais de 40 anos agita o Brasil e a cena cultural, Caetano Veloso foi pouco explorado no documentário Coração vagabundo, que acompanha a turnê de A foreign sound. Em poucos momentos o filme se permite sair um pouco do esquema quadrado de reportagem consentida. Claro que brilha o gênio de Caetano principalmente na parte musical e em depoimentos sempre inteligentes. Mas, como cinema (e o cantor e compositor sempre foi um homem de cinema), o filme fica devendo. Quando acaba, o gosto de quero mais não sai da boca. E olha que o diretor deixa para quando sobem os créditos algumas das falas mais interessantes do homenageado, como aquela em que ele confessa certa quedinha sexual pelas bananeiras do quintal de casa, em Santo Amaro.

Beijos!

Clara Arreguy, domingo, agosto 23, 2009.

______________________________________________________