2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Era uma vez...

Nunca (nos anos recentes) o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro começou tão focado na ficção como nesta 43ª edição, cuja mostra competitiva teve início na noite de quarta-feira. Os dois curtas - Cachoeira, de Sérgio José de Almeida, e Fábula das três avós, de Daniel Turini - apontaram o tom que o longa - A alegria, de Felipe Bragança e Marina Meliande - seguiria. Era o tom da fantasia sem amarras.
Em que pese a falta de recursos técnicos e financeiros, o primeiro curta da noite valeu pela presença raríssima da cinematografia amazonense no circuito nacional. O próprio ator principal, Begê Muniz, explicou que eles não têm tradição nem verbas, de modo que só a presença ali já seria uma vitória. Em cena, além de lendas contemporâneas ligadas aos índios, a oportunidade de ouvir outras línguas faladas em nosso país, pelo menos três de diferentes etnias.
O segundo curta, paulista, foi o melhor da noite. Situa uma menina na fronteira entre Alice e Dorothy. Ao ficar órfã, ela encontra em um amigo gato o companheiro na procura pela avó ideal.
Finalmente o longa carioca esbarra em muita pretensão e alguns acertos para lidar com sonhos e expectativas de uma faixa da adolescência em que se é naturalmente pretensioso. Os recursos eram muitos, mas o uso deles nem sempre acerta a mão. Falta texto, pelo menos texto bom. Interpretações interessantes, como a da protagonista. E mistura de referências, de monstros marinhos a São Jorge, que confundem mais que explicam. Uma panorâmica pouco usual de um Rio de Janeiro bem contemporâneo.
Enfim, o FBCB começa polêmico, o que não é pouco e é sempre bom.

Beijocas!

Clara Arreguy, quinta-feira, novembro 25, 2010.

______________________________________________________