2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Grande Carvana!


Foto: Divulgação


Por fim, na temporada de polêmicas do cinema nacional, também gostei de Não se preocupe, nada vai dar certo..., de Hugo Carvana. Tendo à frente do elenco Tarcísio Meira e Gregório Duvivier, a comédia dá vida aos personagens que o cineasta cultiva há décadas: os malandros de todo tipo.

Desta vez, trata-se de comediantes que ganham a vida a fazer shows e peças e a aplicar pequenos golpes na praça. Entre as duas artes - a cênica e a da esperteza - pai e filho se balançam, sonhando sempre em voltar à ribalta e à arte maior.

Com o envolvimento deles, sem querer, num golpe de mais vulto, político, que mexe com licitação fraudada, propina, corrupção e assassinato, surge a oportunidade de se darem bem - ou totalmente mal, afinal, "nada vai dar certo" é o lema deles.

Com o argumento do filme, Carvana aproveita para homenagear os artistas mambembes desse Brasil afora, a arte de quem ama o palco, o texto, o dom de iludir, de fazer sonhar. E obtém momentos líricos de seus anti-heróis, principalmente quando ele próprio está em cena no pequeno papel de um ator velho e decadente, condenado a viver num asilo de artistas.

Se não é um grande filme - e não é -, a nova comédia de Carvana emociona pela luta de uma vida do cineasta que mantém vivo, há mais de 40 anos, o sonho do cinema brasileiro.

Beijão!

Clara Arreguy, domingo, agosto 21, 2011.

______________________________________________________