2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Os justos prêmios de Edney

Outra leitura tardia que fiz recentemente foi a do romance Se eu fechar os olhos agora, de Edney Silvestre (Editora Record), vencedor dos prêmios São Paulo de Literatura e Jabuti, ambos no ano passado. Que prêmios justos! Como é bom o livro!

Mais conhecido por seu trabalho como repórter de televisão, em especial como (ótimo) entrevistador de escritores na Globonews, Silvestre revela uma veia literária muito além do talento jornalístico. Aliás, o domínio romanesco que exibe neste livro nada tem a ver com a capacidade treinada anos e anos como repórter. É resultado de outro talento.

Ambientado em 1961, quando o Brasil vive um momento de inflexão rumo à modernidade, o enredo se passa numa cidade do interior fluminense em que dois amigos, ambos com 12 anos, se unem a um velho comunista, morador de um asilo, para investigar, por conta própria, o assassinato de uma mulher cujo corpo eles encontraram num lugar ermo.

A mulher do dentista foi barbaramente trucidada, mas a curiosidade e a simpatia dos garotos e do velho por uma causa com ares de perdida os fazem descobrir uma trama que envolve interesses políticos e econômicos, segredos de Estado e de alcova, exploração, racismo, violência e sedução. Tudo amparado por uma narrativa precisa, fluente, elegante, um romance que pega o leitor e não o deixa mais largar.

Beijus!

Clara Arreguy, domingo, agosto 07, 2011.

______________________________________________________