2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Faltou falar sobre Judas

No post anterior, sobre Judas, o Obscuro, esqueci de dizer uma coisa importante: a edição que li, velhinha e depois escangalhada pela chuva, era de 1969, da Itatiaia, de Belo Horizonte. E o melhor: tinha (tem ainda) orelha assinada por meu tio, João Etienne Filho.

Nela, ele aponta o romance como um dos dez maiores de todos os tempos, comenta as qualidades do autor, Thomas Hardy, e do tradutor, Octávio de Faria, cujo estilo, semelhante ao do escritor inglês, possibilitou que ele fizesse verdadeira recriação do texto.

Era isso. Beijos!

Clara Arreguy, quinta-feira, dezembro 29, 2011.

______________________________________________________