2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Amor sublime amor


A dica, como sempre, veio do Tiago Faria, que deu logo quatro estrelas, o que é uma raridade. Então fui lá conferir Adeus, primeiro amor, e vi que beleza de filme. Dirigido por Mia Hansen-Love, é uma produção franco-alemã sobre um casalzinho de jovens de 15 anos que descobre o amor, mas que tem os caminhos desencontrados pela vida.

Ele, Sullivan (Sebastian Uzendowsky), quer ganhar o mundo e se sente preso pelo sentimento. Ela, Camille (Lola Créton), prefere morrer a viver sem o amado. Aos poucos, ela terá que amadurecer e descobrir outras possibilidade de vida, como o trabalho e uma nova relação, mais madura. Nada sem dor, sem solidão, sem construções complicadas.

O filme é delicado, bem fotografado, interpretado, montado. A música, linda, inclui até Volver a los 17 e Gracias a la vida. Os andamentos do coração, na vida de Paris, em cidades alemãs ou norueguesas ou no campo, em meio à natureza e ao rio Loire, ditam os momentos do filme, de poucas falas e muito espaço para uma reflexão sobre o amor.

Que beleza! Beijão!

Clara Arreguy, quinta-feira, janeiro 19, 2012.

______________________________________________________

Comments:
Clarinha, já te falei que adoro suas escritas sobre cinema? Adoro mesmo. Simples, sem pretenções. Refletir sobre o amor é um dos meus pratos prediletos. Vou assistir. Beijos!
 
Postar um comentário