2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Eça de Queirós, clássico eterno


Uma das coisas que melhor me lembro quando assisti à primeira versão da novela “Gabriela”, nos anos 1970, era a menção constante ao romance “O Crime do Padre Amaro”, de Eça de Queirós, que a personagem Malvina, toda avançada para a época, lia, contrariando os pais conservadores. Todos comentavam como escandaloso o fato de uma mocinha de família ler a obra pecaminosa.

Passados tantos anos, nova versão da novela entrou no ar, e eu me peguei na constatação de que nunca lera o romance proibido. Comprara-o numa edição baratíssima na Bienal do Livro e da Leitura de Brasília, poucos meses atrás. Barata demais, em papel vagabundo e letras miudíssimas, está dando trabalho aos velhos óculos de míope, mas o prazer da leitura compensa tudo.

Já era fã de Eça desde que me deslumbrei com “Os Maias”, e vejo que “O Crime do Padre Amaro” é outra obra-prima. Não apenas pela construção detalhada do romance entre o padreco jovem e a moça pura, mas, muito mais, pela demolição moral que o escritor português promove de uma religiosidade hipócrita, de uma instituição elitista e voltada ao enriquecimento material de seus líderes.

Admito que há passagens em que as diferenças linguísticas dificultam a compreensão da leitura. Eça escreveu o livro em meados do século XIX, já vamos adiantados no XXI, mas o sumo de seu romance é a crítica implacável, e ela se faz com inteligência e ironia, num rico quadro humano, político e ideológico. E que belas descrições, que narrativa, que construção ao mesmo tempo sofisticada e simples!

Tinham razão os próceres da Igreja ao proibir sua leitura às jovenzinhas do início do século XX. “O Crime do Padre Amaro” desnuda e desconstrói baluartes moralistas melhor que qualquer peça de propaganda ideológica. E se trata da melhor literatura que a língua portuguesa produziu.

Publicado na intranet do MDS em 16/7/12

Clara Arreguy, segunda-feira, julho 16, 2012.

______________________________________________________