2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






O melhor de todos


Tenho andado muito em falta com o cinema, mas nos últimos dias, com feriado em Brasília, andei tirando o atraso, e o melhor dos filmes que vi foi o brasileiro "Gonzaga - De pai para filho", de Breno Silveira (foto de divulgação).

Não só pela importância de Luiz Gonzaga para a música e para a cultura brasileira. Não só pela importância de Gonzaguinha para a MPB, com sua poesia tão acridoce. Não só pelas interpretações viscerais, inclusive de talentos pouco conhecidos da mídia nacional. Não só pelo belo roteiro, que amarra o drama sem perder a leveza dos bons causos e sem cair na armadilha do dramalhão. Não só pela música, pela fotografia, pela direção de arte na reconstituição da época.

Conheci Gonzaguinha quando entrei pra faculdade. Foi a primeira entrevista que fiz, ainda antes de começar o curso específico de Jornalismo. Era mal-humoradinho, tratava os estudantes com uma intolerância típica de sua geração, de jovens politizados, que lutavam contra a ditadura, liam, se aprofundavam, e não gostavam nem de lerdeza nem de superficialidade.

Nos meus tempos de jovem assisti a vários de seus shows, tinha discos, e ouvia falar que era filho de Gonzagão, mas que não se conheciam, era talvez filho de uma prostituta ou de um caso sem importância do Rei do Baião. O filme mostra que não é nada disso. Que os temperamentos guerreiros de pai e filho foram talvez mais decisivos que as posições políticas contrárias a separá-los.

Mas "Gonzaga - De pai para filho" é muito mais que apenas a narrativa sobre os desencontros entre esses dois grandes personagens que fazem tanta falta à história e à cultura brasileira. Tem momentos de pura magia, sempre conduzidos pela música, e não só a do mestre, em clássicos como "Asa branca" e "Que nem jiló", mas também a do herdeiro, em pérolas como "Sangrando" e "O que é, o que é".

E paro por aqui pra não contar todo o filme. Vale ser visto, revisto e apresentado pra quem não conhece.

Beijus!

Clara Arreguy, terça-feira, dezembro 04, 2012.

______________________________________________________

Comments:
Esse Gonzagão é um dos melhores nacionais produzidos. E os atores, espetaculares. Um filme narra a trajetória de vida de Luiz Lua Gonzaga e de tabela do Filho Gozaguinha, de forma primorosa e bela! Abç.
João Batista - J.Carvalho/News, este é o meu blo9g Clarinha, acessa e comenta, bj

 
Oi, João, manda o link do seu blog pra gente acessar. Bjs e obrigada pela comentário!
 
Postar um comentário