2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Mais um do Oscar



"O lado bom da vida", de David O. Russell, parece uma comédia romântica, mas é um drama sobre um portador de sofrimento mental, hoje em dia tudo banalizado como transtorno bipolar. Interessante que o cinema norte-americano dedique pouco espaço a questões de saúde mental, então é bom tratar do tema, para variar.

Como dissemos, o problema decorre da banalização das questões. Um cara sai de uma instituição psiquiátrica após meses de internação por ter atacado violentamente o amante da mulher - ele os pegou em flagrante de traição.

Com a ajuda dos pais, tenta se recompor socialmente, mas resiste aos remédios e ao tratamento. Com razão, porque a abordagem é sempre reducionista e resta pouco ao cara senão procurar por conta própria uma forma de sair do círculo vicioso de suas obsessões. Nessa procura, encontra uma amiga com quem compartilha desajustes.

É tudo superficial e anedótico, a doença do cara, o desajuste da moça, as neuras familiares, o psiquiatra indiano, o entorno. Mas dá pra pensar e rir, principalmente por causa do trabalho dos atores, que concorrem, os quatro, aos principais Oscars da categoria: Bradley Cooper (ator), Jennifer Lawrence (atriz), Robert De Niro (ator coadjuvante) e Jackie Weaver (atriz coadjuvante).

Não espere, no entanto, um final que fuja ao chavão. Chavão de ouro, como pede o romantismo do personagem principal.

Beijão!

Clara Arreguy, quarta-feira, fevereiro 20, 2013.

______________________________________________________

Comments:
concordo completamente com seu comentário, clara. também achei um amontoado de clichês, um esquematismo só, que não é pior porque repete os mesmos expedientes de centenas de filmes que já vimos. o que, de certa maneira, nos conforta pela familiaridade. mas não redime o tempo e a paciência que nos requisita. preferia não ter visto, apesar das ótimas atuações de alguns dos atores. abraço, miguel anunciação
 
Postar um comentário