2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Policial brasileiro no intervalo

No intervalo entre o primeiro e o segundo livro da trilogia Millenium, de Stieg Larsson, li o policial "Fantasma", do brasileiro Luiz Alfredo Garcia-Roza, mais uma ótima aventura do delegado Espinosa, lotado em Copacabana e morador no bairro Peixoto.

Desta vez, as personagens principais são uma moradora de rua, Princesa, e seu amigo vigia de obra, Isaías.

Após o assassinato de um suposto estrangeiro numa calçada próxima à delegacia de Espinosa, ele passa a travar conversas meio absurdas com a moradora de rua, obesa, meio delirante, que testemunhou o crime mas não sabe dizer ao certo o que houve.

Com uma investigação calcada mais no feeling do delegado do que em fatos e dados concretos, a polícia leva meses até deslindar o papel de cada um na trama, inclusive o de uma linda mulher misteriosa que aparece do nada para resgatar o defunto e passar a perna no delegado.

Curto, rápido, curioso, o livro consome poucas horas de leitura, distrai e descansa. Como todo bom policial de Garcia-Roza.

Beijings!

Clara Arreguy, terça-feira, fevereiro 19, 2013.

______________________________________________________