2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Sobre pais e filhos


Tenho lido críticas negativas ao filme "A busca", de Luciano Moura, em que Wagner Moura interpreta um pai que sai pela estrada à procura do filho que fugiu de casa. Não concordo com quem diz que o filme não realiza o que propõe. Principalmente porque a proposta me parece simples: contar uma história. Uma história de pais e filhos.

Acho que tanto o diretor quanto a roteirista Elena Soárez foram felizes em focar o drama tendo o pai como fio condutor do road movie, e sua procura por si e pelo outro como construtor das metáforas que o caminho apresenta.

Os médicos Teo (Wagner Moura) e Branca (Mariana Lima) estão se separando de forma dolorosa. O filho se ressente da distância do pai. Procura um atalho e, por intermédio do avô, manda o recado que Teo não tem condição ainda de ler. A cadeira. No aniversário de 15 anos, foge de casa. Monta um cavalo negro e some no mundo.

Aí começa a busca de Teo, que atravessa rios e montanhas, entra na favela, na plantação, na cidade pequena, na rave, que experimenta renascer, desesperar-se e se encher de esperança, conhecer gente, ouvir, abrir os sentidos e se permeabilizar ao mundo, para dar nova luz ao filho.

Claro que voltar ao pai é o caminho para chegar ao filho, pois a incapacidade de se relacionar com um impedia com o outro. O espectador sabe disso desde o início, mas o personagem precisará da travessia para alcançar de novo o ponto de partida. O filme é delicado e sensível, permitindo que a emoção conquiste o espectador sem apelação barata. Basta o olhar de Wagner Moura, esse ator diferenciado, superior.

Um belo filme sobre pais e filhos, que merece ser visto e ouvido - afinal, o papel do garoto é feito pelo filho de Arnaldo Antunes, Brás Moreau Antunes, e pai e filho contracenam numa bela canção incluída na trilha sonora.

Beijocas!

Clara Arreguy, terça-feira, março 19, 2013.

______________________________________________________