2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Histeria e desejo


O filme é "Augustine", de Alice Winocour. O tema, mulheres histéricas, tratadas por um médico que se assombra com sintomas e empreende verdadeira campanha junto a possíveis patrocinadores e apoiadores. Ele revela que durante séculos essas mulheres foram queimadas em fogueiras, tidas como bruxas, possuídas pelo demônio e outros estigmas.


No hospital onde ele toma como paciente uma jovem histérica, as luzes da ciência são poucas contra as sombras do passado, as poucas informações e a compreensão ainda tão difícil. Mas médico e paciente confrontam, inexoravelmente, o inferno da repressão, do pecado, da culpa, do desejo contido que aprisiona, domina, adoece. A cura só pode vir no enfrentamento do desejo. O belo filme fala disso e de muito mais. 

Precede em muito Freud e a psicanálise, tempos de obscurantismo em que mulheres não existiam como seres de direito e voz. Tratamentos eram a própria violência, a segregação, mais tirania. "Augustine" merece ser visto, Augustine merece ser pensada, entendida, amada.

Beijos!

Clara Arreguy, terça-feira, julho 30, 2013.

______________________________________________________