2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Tensão no espaço


Viagens espaciais sempre fascinaram a minha geração, que cresceu entre Apolo 11 e Yuri Gagarin, sonhos de conquistar, mais que o mundo, o universo. Quando vi o trêiler do filme "Gravidade", fiquei dividida entre a aventura de ficção e o medo da claustrofobia que costuma me atacar diante de certas possibilidades. Até que li críticas superpositivas, outras menos, e resolvi encarar o suspense.

Que filmaço! O diretor mexicano Alfonso Cuarón constrói, mais que um suspense, uma narrativa essencialmente cinematográfica, com apenas dois atores e uma ambientação pra lá de angustiante. Longos planos-sequência, interpretação muitas vezes resumida à voz, efeitos sensacionais, "Gravidade" mostra dois astronautas tentando sobreviver a uma situação-limite lá fora, no espaço sideral.

Sandra Bullock é a cientista assustada; George Clooney, o piloto intrépido. Os dois são colhidos por uma chuva de destroços que, para completar, os deixa sem nave e sem comunicação com a Terra. Correndo contra o relógio, terão que dar um jeito de alcançar as bases espaciais russa e chinesa para tentar voltar ao planeta, enquanto os destroços seguem sua órbita e o oxigênio acaba.

Com poucos elementos, muita tensão e emoção, o filme quase não te permite respirar. Mas nós, espectadores, nos salvamos e podemos curtir uma aventura como há muito tempo não se via.

Beijocos!

Clara Arreguy, quinta-feira, outubro 24, 2013.

______________________________________________________