2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Policial a dinamarquesa

Um par de autoras que eu não conhecia, Lene Kaaberbol e Agnete Friis. Elas são dinamarquesas e fazem sucesso por lá, mas até agora eu não tinha lido nada daquele país. "O menino da mala" (da editora Arqueiro) é daqueles thrillers que a gente não consegue parar de ler um minuto, pela tensão constante.

Já na primeira página uma mulher encontra uma criança de três anos dopada e nua dentro de uma mala guardada num depósito da rodoviária. Daí em diante, vem sequências de tirar o fôlego, com narrativas em perspectivas alternadas da enfermeira que encontrou o menino na mala, da mãe do garoto, em sua procura desesperada, do homem que o sequestrou, do mandante do sequestro, etc.

A questão dos imigrantes nos países nórdicos é sobejamente conhecida de quem lê livros de autores suecos como Stieg Larsson ou Henning Mankell. Na Dinamarca, a situação se repete, tanto que a protagonista trabalha em grupos de apoio a esses imigrantes.

Personagens e situações envolvendo antigas repúblicas do campo soviético, como Lituânia e Letõnia, com prostituição e violência, completam o quadro de uma aventura de suspense físico e psicológico imperdível para amantes do gênero - como eu.

Bisous!

Clara Arreguy, quarta-feira, novembro 20, 2013.

______________________________________________________