2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Drama sutil com Jeremy Irons



Para compensar a ida forçada ao cinema num filme ruim feito Crô, assisti a uma beleza de produção: Trem Noturno para Lisboa, de Bille August. A história se baseia no romance homônimo de Pascal Mercier e reúne elenco estelar, internacional, para contar um drama sobre a trajetória filosófica, política e existencial de um suíço.

Vivido por Jeremy Irons, um dos meus atores favoritos no cinema, Trem Noturno para Lisboa começa em Berna, onde o professor Raimund Gregorius salva uma moça do suicídio e encontra nas coisas dela um livro escrito por um militante da resistência contra a ditadura de Salazar, Amadeu do Prado. Encantado pela escrita do autor, Gregorius pega o tal trem, larga pra trás uma vida monótona e sem sentido e parte para investigar os personagens daquela história.

Em Portugal, encontra não apenas o passado de Amadeu como muitos dos envolvidos ainda vivos, marcados pelos acontecimentos que levaram à Revolução dos Cravos, à morte de alguns e ao destino que coube a cada um.

Resistência, amor, companheirismo, traição e ciúme são ingredientes que não faltam. Uma beleza de filme, delicado, reflexivo, interpretado nas sutilezas e realizado com alma. Além de Irons, tem outros excelentes atores, como Bruno Ganz, Charlotte Rampling, Lena Olin, Christopher Lee e Tom Courtenay, velhos e bons intérpretes do melhor cinema.

Beijins!

Clara Arreguy, quarta-feira, dezembro 04, 2013.

______________________________________________________