2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Lição de anatomia


Mais pra lição de anatomia do que pra produção erótica, "Ninfomaníaca" pode até chocar os mais pudicos, mas não é pra tanto. O novo filme de Lars von Trier mergulha fundo (ops), sim, é nas angústias de uma mulher em busca de sentido para a vida. O sexo é o único canal (outro ops) que Joe conhece. Não há relação, a não ser com o pai, não há trabalho, profissão, desejo. Por isso, por meio do sexo, ela procura, procura, procura...

A proposta mais chocante de Von Trier em "Ninfomaníaca" foi partir o filme em dois e deixar a segunda parte pra daqui a alguns meses. Sacanagem. Não que a trama tenha parado num ponto de suspense. Pelas "cenas dos próximos capítulos" dá pra ver que vem aí mais do mesmo. Joe, encontrada por Seligman caída na rua e toda machucada, conta a ele por que é uma menina má. Tudo que já aprontou. Ele a ouve, comenta, pontua, não julga.

Dividido em capítulos, o filme tem sequências divertidas - como a aposta entre duas amigas sobre quem pega mais homens durante uma viagem de trem - e outras angustiantes, sempre na busca de referências por Joe. Apesar de contar com ótimos atores, como Charlotte Gainsbourg, Christian Slater, Shia LaBoeuf e Stellan Skarsgard, o ponto alto, em matéria de interpretação, é a entrada em cena de Uma Thurman como a mulher abandonada por um dos amantes de Joe. Brilhante.

Algumas cenas de sexo explícito e a exposição em close de vários órgãos genitais quebram tabus e podem assustar, mas não conduzem a nada chocante quanto ao comportamento da personagem. Joe coleciona parceiros, se apaixona, se decepciona, se sente o pior dos seres humanos. Por fim acompanha o pai em sua agonia de morte. Aguardemos a segunda parte...

Beijos bem comportados.

Clara Arreguy, sexta-feira, janeiro 17, 2014.

______________________________________________________