2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Contos inspirados em Chico

Estou devendo o comentário de vários livros que li recentemente e não tive tempo de postar. O primeiro é uma coletânea de contos que homenageia a obra de Chico Buarque. Autores brasileiros e estrangeiros são convocados a criar a partir de canções do poeta maior da MPB e daí tiram inspiração, releitura, recriação, ao sabor da criatividade de cada um.

"Essa história está diferente - Dez contos para canções de Chico Buarque" (Companhia das Letras) tem organização de Ronaldo Bressane e vai dos gaúchos Luis Fernando Verissimo (Feijoada Completa) e João Gilberto Noll (As Vitrines) ao mineiro André Sant'Anna (Brejo da Cruz), ao paulista Cadão Volpato (Carioca) e ao cearense Xico Sá (Folhetim). Do moçambicano Mia Couto (Olhos nos Olhos) aos argentinos Alan Pauls (Ela faz cinema) e Rodrigo Fresán (Outros Sonhos), à brasileira-chilena Carola Saavedra (Mil Perdões) e ao mexicano Mario Bellatin (Construção).

Esse tipo de produção feita sob encomenda sempre esbarra no risco de alguma coisa forçada. Não é o caso da maioria dos contos aqui presentes, que levam assinaturas de peso, de grandes nomes do continente. Claro que há destaques: os dilemas da mulher que quer deixar o marido gente boa, no conto de Verissimo, e do homem que espera a moça na saída da escola, no de Pauls; a dupla narrativa de Carola, única mulher presente no livro; as dores da separação na história escrita por Mia Couto; a viagem estruturada sobre a estrutura de Construção, no conto de Bellatin.

Trata-se  de leitura densa, nem sempre fácil, mas de rigor e qualidade. Amantes da obra de Chico devem ler os contos ao som da música e viajar na inspiração dos autores.

Beijos!


Clara Arreguy, sexta-feira, março 21, 2014.

______________________________________________________