2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Mais contos - originais

Outro livro de contos que acabo de ler é A Árvore das Encomendas (LGE Editora), de Edna Rezende, minha companheira na Casa de Autores. Mineira de Inhapim, Edna reúne 15 contos que têm preferencialmente protagonistas femininas. Mulheres ora fortes, ora vítimas das circunstâncias do tempo e da cultura, elas resistem às situações mais trágicas.

O tom dramático prepondera nas histórias, embora a narrativa de Edna seja recheada por um senso de humor irônico, pontuado por referências de quem lê muito e bebe em fontes variadas - no sentido de cultura geral, não de estilo, que Edna possui o próprio, genuíno, original.

Com densidade de emoções e domínio narrativo, Edna Rezende parece ter um manancial de histórias a contar. Daí a sensação de que algumas delas mereciam maiores desdobramentos, quem sabe um romance a entrelaçar e entrecruzar os universos presentes nos contos do livro. Um universo feminino, familiar, mineiro, brasileiro, mas por isso mesmo universal em suas verdades mais profundas.

Beijocas!

Clara Arreguy, sábado, março 22, 2014.

______________________________________________________