2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Primeiro documentário: Fellini


Na linha de comentários em dupla que venho fazendo, assisti a dois documentários excelentes. O primeiro, "Que estranho chamar-se Federico Fellini", de Ettore Scola, retrata a relação entre esses dois grandes cineastas italianos. Fellini foi o maior, em minha opinião, um ícone tão maiúsculo do cinema mundial que não tem sucessor nem correspondente em nenhuma outra cinematografia. Ele própria brinca, numa passagem do filme, com o fato de ter virado adjetivo - o que isso significaria?

Mesclando cenas reais com a encenação vivida por atores, Scola conta os primeiros passos de Fellini como colaborador de um jornal de humor, em Roma, onde chegou, vindo de Rimini, aos 19 anos. Fellini desenhava e escrevia, e logo começou a escrever para o teatro e o cinema. Trajetória similar teve Scola, que começou aos 16 anos no mesmo jornal, também desenhando e fazer humor. Ficaram amigos ali, compartilharam amizades e expectativas.

No documentário, Scola, apresenta trechos inéditos de filmagens nos lendários estúdios da Cinnecittà, onde foram gravadas obras-primas do homenageado, e ainda faz graça e poesia com outros personagens dessa história, como Marcello Mastrioanni (na foto com Fellini) - coloca a mãe do ator dizendo que ele ficava bonito nos filmes de Fellini e feio nos de Scola... E por fim edita séries de cenas antológicas de clássicos como "Amarcord", "8 1/2", "Noites de Cabíria", "E la nave và", etc. etc. etc.

Uma bela e justa homenagem, amorosa, a um dos deuses do cinema...

Beijus!

Clara Arreguy, quarta-feira, junho 11, 2014.

______________________________________________________