2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Um brasileiro (bem-humorado) em Paris

Na última página da revista Veja Brasília, divido o espaço com o escritor Daniel Cariello. Escrevemos quinzenalmente, alternadamente. Assim como eu e meu "Catraca Inoperante", ele publicou uma coletânea de crônicas, "Chéri à Paris - Um brasileiro na terra do fromage", onde reúne escritos produzidos nos anos em que morou na França.

Que delícia de crônicas! Daniel é engraçado sem forçar a piada. Das situações bizarras ou constrangedoras às ocorrências banais em torno do idioma, do sotaque, do biquinho que se faz para falar corretamente o francês, ele sempre dá um jeito de tirar humor fino, inteligente e de bom gosto.

Gosto em especial de quando ele mexe com hábitos como as passeatas e manifestações por qualquer motivo - ele propõe uma série de possíveis movimentos, caso haja crise nas motivações... Outra que me matou de rir foi sobre um motorista de táxi que dispara pelas ruas de Paris.

Com os assuntos divididos pelos momentos vividos na temporada parisiense, o livro apresenta belas ilustrações, uma produção refinada e toques líricos, como no texto sobre a framboesa herdada de um amigo que se foi ou nas doces e rabugentas lembranças na hora da partida.

Um volume cheio de histórias e graças, que se lê vorazmente.

Ulalá!

Clara Arreguy, quinta-feira, outubro 09, 2014.

______________________________________________________