2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Colégio Estadual

Da série BH. A cidade de cada um, da Conceito (pela qual lancei meu "Fafich", reeditado no ano passado), li agora "Colégio Estadual", do jornalista Renato Moraes. Fui cheia de expectativa e emoção, não só por ter estudado ali entre 1975 e 1977, como pela possibilidade de aparecerem na história pessoas das minhas relações também ligadas àquela escola.

Meus dois irmãos mais velhos, Luiz Flávio e José Henriques (o Tostão), que viveram momentos intensos no meio estudantil nos anos 1950 e 1960, não comparecem no livro, mas meu tio João Etienne, que foi professor por décadas no Estadual, acaba sendo um dos personagens. Assim como a presidenta Dilma e outros, mais ou menos famosos, como os amigos Paulinho Saturnino, Márcio Borges, Beatriz Dantas, Toninho Horta, a família Borges Martins e tantos mais.

A narrativa de Renato Moraes busca não só a história do Estadual, como sua importância arquitetônica - desde que ganhou a sede desenhada por Oscar Niemeyer, ali na confluência de Santo Antônio e Lourdes, bairros nobres de Belo Horizonte -, como a mística em torno de um centro de formação política, cultural e afetiva da capital mineira.

O colégio foi tudo isso entre os anos 1950 e 1960, perdendo parte do encanto quanto mais se aprofundava a ditadura, com o ranço autoritário que se espraiava por tudo - até no simbólico de cercar de muros, grades, correntes e cadeados o espaço projetado para transpirar liberdade e criatividade.

Um único senão são informações datadas, como chamar de "hoje ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio" o governador de Minas, Fernando Pimentel. Bastava dizer "em 2014 ministro"... Fácil de corrigir na próxima edição.

Beijos, então!

Clara Arreguy, domingo, maio 03, 2015.

______________________________________________________