2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Um gato apaixonante

No começo da leitura de "O náufrago que ri" (Record), de Rogério Menezes, impliquei muito com alguns maneirismos do autor. Como a supressão sumária de todos os artigos indefinidos e a repetição excessiva de falas de personagens. Quando entrei para o Correio Braziliense, os revisores tinham esta mania: de cortar o um e o uma das matérias. Incomoda-me falar "Desponta em curva próxima mulher rechonchuda, baixota. Tenta caber em biquíni minúsculo". Por que não usar o um e o uma? Bom, escolhas de cada um. Ou de cada.

Comecei, então, implicando com a falta dos artigos indefinidos e com as repetições, mas aos poucos fui me apaixonando pelo personagem narrador, o gato Rafic, com sua erudição, suas paixões felinas, suas observações críticas. E apreciei também a história de seu dono, com seu universo de jornalista decadente, o mundo glamouroso também em declínio, a vida dissipada de drogas e sexo frenético igualmente se dissipando com os novos tempos, o fim de uma era para uma elite que se pensava poderosa, mas que deu com os burros n'água.

Acho que o autor escreve bem, compõe personagens ricos e interessantes, de qualquer ponto de vista. A ponto de ter-me feito esquecer dos maneirismos com os quais implicava e me levado a me concentrar somente no enredo. 

Beijos!

Clara Arreguy, sábado, junho 27, 2015.

______________________________________________________