2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Nazismo, como pôde acontecer


Com este título instigante, "Nazismo - Como ele pôde acontecer", Eduardo Sklarz publicou no ano passado, pela Abril/Superinteressante, uma vasta reportagem sobre as raízes históricas e o desenrolar da maior tragédia que se abateu sobre a humanidade no século XX, uma das maiores da História, que redundou no Holocausto de 6 milhões de judeus e na morte de 50 milhões de pessoas na II Guerra Mundial.

Trabalhei com Eduardo alguns anos antes de ele se mudar para a Argentina, onde hoje vive. Conheço seu rigor na apuração dos fatos. Neste livro, ele exercita a investigação profunda e detida, indo desde os primórdios da ideologia que inspirou o nazismo até os desdobramentos práticos da chegada ao poder do Partido Nacional Socialista, passando pela vida de Hitler, suas ideias, o antissemitismo, a Grande Guerra, a política da "solução final" que levou à eliminação física de "inimigos" como judeus, ciganos, homossexuais, incapazes e deficientes vários.

Após o relato de todo tipo de crueldade praticado em nome daquela ideologia, a reportagem nos traz os principais fatos do conflito mundial e do pós-guerra, com o que aconteceu a cada um dos maiores responsáveis pela barbárie perpetrada pelos nazistas. Muitos deles ficaram impunes. E, nos tempos atuais, sua ideologia segue viva, em movimentos neonazistas, antissemitismo, racismo e diversas outras formas de discriminação e perseguição.

Os tempos que vivemos são bicudos. Muitas das piores ideias e práticas do passado recente estão de volta, cada vez mais assumidamente e sem vergonha de posturas intolerantes, violentas, anti-humanas, irracionais. É preciso entender historicamente do que elas tratam e combatê-las fortemente, com a união das pessoas de bem.

O livro de Eduardo Sklarz contribui como um alerta para esses perigos. Parabéns a ele pelo belo e importante trabalho.

Beijos!

Clara Arreguy, quarta-feira, julho 15, 2015.

______________________________________________________