2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Num terraço de Havana


Após assistir ao trêiler do filme "Retorno a Ítaca", de Laurent Cantet, sabia que tinha que assistir a esse filme sobre uma reunião de amigos cubanos em torno de um deles, que se exilara na Espanha e acaba de voltar a Cuba. Do alto de um terraço próximo ao Malecon, Havana aos seus pés, Tania, Aldo, Rafa e Eddy se encontram em torno de Amadeo, que passou os últimos 16 anos fora do país.

Saudade, mágoas, cobranças, balanços, culpas e afetos se misturam na festa do reencontro. Em cena, uma geração que acreditou na Revolução, trabalhou como "voluntária" no corte de cana e na colheita de fumo, que foi reprimida por gostar dos Beatles, que viu a crise empurrar seus filhos para Miami, que hoje mal se sustenta com os salários de médicos, artistas e professores.

O amigo que se foi, e que deixou a mulher morrer de câncer à distância, inspira sentimentos extremos. Até revelar um segredo, responsável por sua fuga do país, acusações mútuas se farão. Afinal, se Amadeo agiu como um covarde, Rafa se tornou alcoólatra, Tania fracassou como profissional e como mãe, Aldo é um conformista e Eddy se corrompeu.

O filme não acusa nem defende. Apresenta Cuba e os cubanos com as críticas e simpatias possíveis. Numa estrutura de câmera na mão e gravações quase amadoras, centra-se no texto e na interpretação dos atores, um time consistente e cheio de verdade.

É, não é fácil ser cubano. Nem brasileiro. Nem humano.

Beijos!

Clara Arreguy, segunda-feira, julho 13, 2015.

______________________________________________________