2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






João Almino em texto e foto

João Almino é um grande autor, a quem muito admiro, que tem Brasília como cenário e mesmo personagem de seus romances. Seu mais recente lançamento, "Enigmas da Primavera" (Record), não deixa de se ambientar na capital federal, mas vai mais longe, até a Europa, à procura da Espanha da ocupação moura...

Explico: numa sacada muito antenada com a atualidade, o escritor constrói um protagonista jovem, presente nos movimentos que agitaram o Brasil em 2013, quando grande número de manifestantes foram às ruas gritar contra aumentos de passagens, falta de verbas para saúde e educação, corrupção, padrão Fifa, etc.

Descendente de árabes, Majnun é um jovem romântico, apaixonado por uma mulher mais velha, casada, e pela cultura de seus ancestrais. Simpatiza com os movimentos que levam à Primavera Árabe e que sacodem velhos regimes do outro lado do mundo. Não sabe direito o que quer da vida, apenas que precisa pesquisar para escrever seu livro.

Com duas amigas e muitas dúvidas na alma, Majnun parte para a Europa, de carona com a Jornada Mundial da Juventude, ocasião em que sua simpatia pelo islamismo tromba também com o catolicismo da amiga. Sonhos e delírios acabam por conduzir o personagem - e a própria trama - para descaminhos que recuam das ousadias ansiadas, num tipo de anticlímax dado pela desestruturação emocional de Majnun.

O livro mais abre do que fecha questões. É culto, instigante, atual. Leitura de primeira, no padrão João Almino.

Também de João Almino, no mesmo evento de "Enigmas da Primavera", foi lançado "Brasília" (Barléu), com fotos dele e textos de Ana Miranda. Interessante observar o olhar de um escritor investido da câmera fotográfica, a sensibilidade para os conceitos que definem Brasília do ponto de vista arquitetônico e da paisagem, mas com uma leitura que subverte o cartão-postal e nome de outra poesia. E os comentários de Ana Miranda completam tudo com a paixão que ela tem pela nossa cidade e a leitura sempre literária de seus ângulos e personagens.

Beijos!

Clara Arreguy, domingo, agosto 16, 2015.

______________________________________________________