2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Mulheres protagonistas

Um livro interessante e diferente que li nos últimos dias foi "Na escuridão não existe cor-de-rosa" (Editora Patuá), de Cinthia Kriemler, uma autora brasiliense de origem carioca, que escreve poesia e prosa, mas neste volume reúne contos tendo a perspectiva feminina como linha principal.

O título diz bem do que o leitor tem pela frente: histórias em que predomina o lado escuro, pesado e violento, principalmente da realidade de mulheres atingidas pela violência - doméstica ou não -, pela falta de lugar, de espaço num mundo masculino implacável.

Com linguagem tão seca quanto possível, Cinthia Kriemler constrói narrativas curtas e duras, em que uma nova mulher, protagonista e capaz de virar o jogo em seu favor, toma as rédeas até de situações mais improváveis.

Para embalar essas narrativas, a edição é primorosa, de cuidado com o conteúdo e projeto gráfico refinado.

Beijocas!

Clara Arreguy, segunda-feira, outubro 05, 2015.

______________________________________________________