2018: jan . fev . abr . mai

2017: jan . mar . abr . jun . ago . set . nov . dez

2016: jan . fev . mar . abr . jun . jul . out . nov . dez

2015: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2014: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . dez

2013: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2012: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2011: jan . fev . mar . abr . mai . ago . set . out . nov . dez

2010: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2009: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2008: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2007: jan . fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez

2006: fev . mar . abr . mai . jun . jul . ago . set . out . nov . dez






Prosa poética de Vilara

O escritor Paulo Vilara, mais conhecido em Minas pelas crônicas em defesa do América Futebol Clube, segundo time no coração de quem não é americano, como eu, lançou recentemente, em produção independente, o belo livro "Manhãs com Pássaros", reunião de histórias curtas ou curtíssimas.

Dividido em três partes - Subsolo, Chão e Céu -, pode-se dizer que o subtítulo do volume resume sua aposta: exercícios de síntese. As narrativas são uma forma de prosa, mas não deixam de ser também exercícios poéticos, como se pode observar em "Assim é melhor":

"O desejo é forte, mas evita entrar, sentar-se e pedir uma bebida. Prefere caminhar pela cidade, pois está convencido de que a solidão, quando em movimento, não é notada."

Ou em "Todos os dias":

"O poder, podre, apodera-se, apodrece."

Assim como esses sintéticos versos livres, outros se intercalam a contos curtíssimos, como "Urgência":

"Não sabe ficar só. O cachorrinho morreu, comprou outro."

Como se vê, seja contando uma história, fazendo reflexões ou tecendo metáforas, Paulo Vilara trabalha as palavras em composições precisas, econômicas, fortes e delicadas, ao sabor da ideia ou da emoção.

Lê-se "Manhãs com Pássaros" nesse ritmo, cantando cada texto como uma canção. Sorve-se num só fôlego, observando a cidade, a gente ou a natureza com os olhos do poeta prosador.

Clara Arreguy, quinta-feira, janeiro 07, 2016.

______________________________________________________